FRANGO FINO 155 | O SEGUNDO MAIOR MANGOL DE SANTOS

FRANGO FINO 155 | O SEGUNDO MAIOR MANGOL DE SANTOS

fev 20

Arte do banner por Doug Lira

No Frango Fino dessa semana, Doug BezerraDoug “Rurouni Keixão” Lira e Guilherme Maldonado falam sobre:

  • Anime Strike | Amazon lança serviço de streaming para Animes
  • Do K7! | Venda de K7 cresce assustadoramente nos EUA
  • Mentiroso! | Aprenda a descobrir quando uma pessoa é inteligente ou está fingindo

A programação musical:

  • Aliados – Esperança
  • P.O.D. – Youth Of The Nation
  • Gunship – Tech Noir

Participe do Padrim do Frango!!

anucio-padrim

 Comentado durante o programa:

Para falar com a gente:

E-mail: podcast@frangofino.com

Twitter: @frangofino

Tempo do programa:  66 minutos

————————————————————-

Podcast com música: 


Download/Dolomde (Para baixar o podcast, clique com botão direito do mouse e “salvar link como”).

————————————————————-
Podcast sem música: 


Download/Dolomde (Para baixar o podcast, clique com botão direito do mouse e “salvar link como”).

  • Matheus

    Mais um EP xuxu Beleza!

  • FelipeSarinh

    Por mais episodios onde Doug Lira possa cantar

  • Christopher Moura

    Gostei muito desse episódio!

    O Doug “Cara, cadê meu queixo?” Lira falou com entusiasmo de “Tokyo Godfathers”, mas a ideia desse anime foi claramente roubada de um grande filme do cinema nacional: “A Filha dos Trapalhões”.

    No filme – assim como no anime – alguns mendigos (os Trapalhões) encontram uma criança e decidem cuidar dela. O Doug comenta que entre os mendigos tem um mendigo de meia idade, um mendigo velho e um mendigo transexual; no filme dos trapalhões, tem um mendigo de meia idade (Dedé Santana), um mendigo velho (Didi), um mendigo homosexual (Zacarias :-P) e um mendigo cachaceiro (Mussum).

    Logo, o anime “Tokyo Godfathers” é preguiçoso ao tentar inovar com um enredo que já foi brilhantemente explorado em filme lançado em 1984…

    Bricadeira! Tokyo Godfathers é muito bom: recomendo a todos!

  • Alex Amaro

    Que capa sensacional

  • danrley

    não sou padrinho de nenhum podcast pq não tenho dinheiro pra contribuir com todos os que eu escuto, mas se o sabe nada se tornar meta eu começo a contribuir com incríveis 10 reais

  • Camila Kimura

    Doug Lira dos pianos! <3

    Em relação à fita K7 e LPs, estou meio que revelando minha idade, mas eu lembro que eu e a minha irmã gravávamos uns programas de rádio na fita virgem etc pra ouvir de novo depois, e na casa dos meus pais tem uma vitrola muito muito antiga e linda que ainda funciona e a gente às vezes coloca pra tocar os LPs "Blue" e "Red" dos Beatles, tem dos Saltimbancos lá e é sensacional, que nem o Doug disse, aquela nostalgia que dá é bem gostosa!

    Sobre inteligência/ conhecimento: acho que muito do que falaram aí sobre inteligência, na verdade foi abordada mais a inteligência emocional que atualmente consideram muito mais importante do que uma inteligência "QI" e nossa, tem muita coisa aí no meio ainda a ser discutida inteligentemente hehe. Na minha opinião, inteligência é vc usar seu conhecimento a seu favor, eles andam juntos. Um exemplo bem besta é você ter o conhecimento de que 2+2=4 e usar isso a seu favor pra ver que o troco do pão tá errado, isso seria inteligência… mas ainda envolve muito da experiência e vivência de cada um também..

    E sobre a bolacha maizena que o Gui fechou no final, da proxima vez pega uma lata de leite condensado, abre, mergulha a bolacha e come, é bem bom!

    Adorei o episódio, parabéns, e é isso! Beijos

    • Manoel Ortega

      Pensei que apenas a minha alma de gordo permitia fazer isso com a bolacha. Melhor ainda: Misturar achocolatado no leite condensado antes de comer!

      • Camila Kimura

        Melhor ainda: granulado no leite condensado! 😀

  • Pedro Tenorio

    Um sonho realizado: meu e-mail foi lido e minha sugestão de música foi tocada! Que delícia cara!!!

  • Satoshi Kon deixa no chinelo o Hayao Miyazaki (the treta has been planted)

  • Fernando Taglieber

    sensacional!

  • É muito complicado essas “definições” de inteligência. Fico mais confortável quando a gente mede algo pelo resultado que apresenta. Um sujeito dito inteligente que não consegue produzir algo com ela (ou se beneficiar dela) é como uma enciclopédia sendo usada para calço de mesa: Tem o mesmo valor que um pedaço de tijolo.
    Nessa lista mesmo… Chama de inteligência quem não é preguiçoso e quem é metódico. Porém, os mais criativos e inovadores tendem a ser aqueles que tentam inventar um jeito de trabalhar menos (ou seja, preguiçosos) e que tentam trabalhar fora da cartilha (ou seja, não seguem todos os passos do trabalho).
    Já a incapacidade de controlar a ansiedade (de não saber calcular o tempo para espera pela recompensa) tem mais a ver com maturidade (e experiência) do que necessariamente com inteligência – já que quem nunca errou a primeira vez pode não ter base para o aprendizado (quem sempre foi ansioso nunca pôde aprender que, esperando, a recompensa poderia ter sido melhor).
    Podemos usar um exemplo que é um “problema” grave da cultura brasileira: Não saber poupar. Faz pouco mais de 20 anos que o Brasil tem uma moeda que pode ser chamada de estável. Todas as gerações anteriores aprenderam que guardar dinheiro não dá resultado (ele perdia o valor, ou o governo confiscava etc). Logo, tem dificuldade de ensinar para as novas gerações que poupar é mais vantajoso que entrar num financiamento, por exemplo. Por mais tentador que seja, neste caso, assumir que é porque todo brasileiro é burro mesmo, não dá pra ignorar que não temos como deduzir que poupar é melhor que gastar justamente pela falta de experiência pessoal de que isso funcione.

  • David Balotin

    Sobre sabedoria e conhecimento…

    A palavra sabedoria tem origem na mesma palavra que a palavra sabor, sendo assim, sabedoria teria, originalmente, a ver com “saborear”, “provar”, “experimentar”, “[outra palavra entre aspas pra reforçar a ideia]”. Logo, experimentar algo, ou ver a reação de alguém experimentando, te torna sábio, porque você “saboreou” aquele momento. Lembrando que “saborear” não precisa ser necessariamente positivo, é sentir o sabor. Partindo daí, ser sábio é quem conhece na prática (própria, ou alheia), e conhecer envolve mais o teórico. Eu poderia dizer que inteligência pode ser sinônimo de sabedoria, mas que também é bem amplo e teríamos que definir os parâmetros, mas a verdade é que não to podendo pesquisar sobre agora, então fica aí o comentário de bate pronto pra não deixar passar.

    Forte abraço, frangos e frangas, e fica aí o meu desenho por um mundo com mais participações musicais do Doug Lira.

  • Henrique Tavares

    Essa lista de coisas que ~pessoas inteligentes~ fazem, além de ser a maior balela da vida, parece muito textão de indiretas. Aqueles “pessoas maduras não te deixam na mão quando você mais precisa” e coisa do tipo.

  • Roger Kobashi

    Eu tinha um walkman de fita K7 da “Aiwa”.
    Ele mudava para a próxima música automaticamente, com um apertar de botão.
    Naquela época eu usava uma pochete para transportar o aparelho e 8 pilhas. Kkkk

  • EU OTAKOOOOOOOOOOOOOOOO
    MONGOL DO MANGAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!
    Claro que fui ouvir 🙂

  • Filipe Bortoletto

    Golpinhos=Dilmas=Temers=Dinheiro